Recentes

Você conhece este filme? Orfeu Negro


Escrito por: Fabiane Bastos
Redes Sociais: FacebookTwiter Instagram - Pinterest

Ainda não foi dessa vez que o Brasil ganhou um Oscar, mas tudo bem porquê o carnaval vem aí para mudar de assunto e seguirmos o bonde. Foi pensando na proximidade entre a “grande festa do cinema”, e “a maior festa do mundo”, que me lembrei de Orfeu Negro. Um filme “semi-brasileiro” que ganhou um prêmio da Academia e que você provavelmente desconhece.


CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE


Orfeu Negro (ou Orfeu do Carnaval) é um filme franco ítalo-brasileiro de 1959, rodado inteiramente no Brasil e com elenco majoritariamente brasileiro. Dirigido pelo francês Marcel Camus, ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 1960 para a França, país de origem de seu diretor. A produção também ganhou a Palma de Ouro em Cannes, e o Globo de Ouro de Filme Estrangeiro

O longa é inspirado na peça Orfeu da Conceição de Vinícius de Moraes. Esta por sua vez, é inspirada no mito grego de Orfeu e Eurídice. Nele, após a morte de sua amada, Orfeu a segue para o submundo "encantando" os obstáculos com suas músicas. Convence Hades a libertar a moça, com a condição de que ele não olhasse para trás no caminho de volta. Mas Orfeu receia que sua amada não o esteja seguindo, olha para trás e perde Eurídice novamente. Eles se reencontrarão apenas após sua morte. O filme e a peça, transportam o romance trágico para o carnaval carioca, transformando Orfeu em um sambista.

Agora você deve estar se perguntando: se o filme alcançou tudo isso, porque não é mais famoso? Simples, é a visão de um francês sobre o Brasil.  Uma visão considerada caricata e fantasiosa, na qual brasileiros estão em uma festa sem fim.

As atuações também são bastante fracas. Orfeu é interpretado pelo jogador de futebol Breno Mello, dublado por Agostinho dos Santos nas canções. Já Eurídice é vivida por Marpessa Dawn, atriz norte-americana radicada na França e esposa do diretor.  Entre o elenco apenas Léa Garcia, que desde então se tornou um rosto familiar em novelas e filmes, realmente entrega um trabalho interessante, se esforçando para enriquecer um roteiro de diálogos rasos.

Os pontos altos da produção São as canções de Tom e Vinícius, e os curiosos registro do Rio de Janeiro no final dos anos 1950. Desde os cartões postais registrados do alto do Morro da Babilônia, até o registro de desfiles de escolas de samba reais, em uma era pré-sambódromo. Os desfiles eram na Avenida Rio Branco, apenas uma corda os separava do público. O caos organizado era surpreendente, e as fantasias bem diferentes das atuais.

Se não agradou em terras brasileiras, lá fora o filme apresentou o Brasil de muitas formas. Apresentou o conceito de favela, vários pontos turísticos, a exuberância do carnaval, e até um pouco de nosso sincretismo religioso. Mostrou para o mundo também a boa música de Tom e Vinícius, e consequentemente deu um empurrãozinho na popularidade da Bossa Nova. Manhã e de Carnaval composta por Luis Bonfá e Antonio Maria também ganhou seu palco e chegou a ser regravada por nomes como Frank Sinatra, Luciano Pavarotti.


Outro fator curioso, é que o filme foi considerado uma rara representação da beleza negra na época. Ainda que fosse uma versão caricata, era um elenco majoritariamente negro, retratado de forma esteticamente bela.

Em 1999 a peça ganhou uma nova adaptação. Orfeu foi dirigido por Cacá Diegues, estrelado por Toni Garrido, Patrícia França, Murilo Benício, Zezé Motta. Era menos caricato e fantasioso que seu antecessor. Foi escolhido para representar o Brasil no Oscar, mas sequer foi indicado.

Para o bem, ou para o mal, Orfeu Negro apresentou e representou o Brasil para o mundo. Se fomos retratados por muito tempo como a terra exótica do carnaval e futebol (e ainda somos, apenas inclua corrupção no pacote), esta produção tem certamente sua parcela de culpa.

Atualmente é um retrato curioso de uma época, e um registro da visão de estrangeiro sobre nós, que acabou influenciando a imagem do país inteiro diante do mundo. Também é uma conexão curiosa entre Oscar e carnaval, e um pretexto perfeito para (re)descobrirmos esta produção peculiar. Não acha?

*Orfeu Negro está disponível no NetMovies e Looke legalmente, mas também existem versões de baixa qualidade no YouTube.