Crítica | O Irlandês


 
ESSE ARTIGO NÃO CONTÉM SPOILERS

Com direção de Martin Scorsese “O Irlandês” tem dado o que falar, o filme foi comentado por praticamente todos os portais de cinema, sejam estrangeiros ou aqui do Brasil.  A Netflix, que mais uma vez abriu as portas para obras mais autorais, viu seu dinheiro sendo gastado naquele que para muitos entrou para os clássicos do gênero de Gangster.
 
Algo muito importante a se esclarecer sobre a obra, é que ela não é sobre a violência da máfia, e sim sobre os integrantes e seus conflitos internos – obviamente o longa tem alguns instantes de violência, mas em nenhum momento essa violência é glamourizada, sendo feita em takes bem rápidos e precisos, apenas para contextualizar toda aquela situação. 

Dito isso, o longa é realmente um longa, com quase seus 3h30min de extensão, o que pode ser um incomodo para pessoas que buscam um entretenimento cada vez mais rápido. Aqui, Scorsese vem na contramão, para mostrar que esse tipo de obra ainda tem seu espaço. 

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE


O trio central do filme está espetacular, tanto Joe Pesci (Russell Bufalino), Al Pacino, (Jimmy Hoffa) e Robert De Niro (Frank Sheeran), entregam interpretações dignas de indicações ao Oscar, a Netflix vai precisar escolher em quem apostar para o prêmio. De Niro é colocado como protagonista, o que dá a ele um pouco mais de espaço para encher de carga dramática seu personagem. Uma cena em específico de telefone é um ótimo exemplo disso.

É interessante notar ainda que Scorsese decidiu utilizar do recurso de rejuvenescimento (e envelhecimento) dos atores, o que demonstra sua capacidade de se inserir nas novas tecnologias. Em nenhum momento o efeito especial incomoda, o que dá mais veracidade a aquela passagem de tempo. 

O filme se foca em mostrar o que acontece com esses gangsters em seus momentos finais, sendo assim, o último ato em questão é uma alegoria do ciclo da vida, – e da própria carreira de Scorsese – e é partir daí que percebemos a importância da obra ser tão longa. Aqui se encerra o arco familiar, que tanto foi sendo colocado de lado por Frank em decorrência de seu trabalho, só ali não conseguindo mais estabelecer diálogo com as suas filhas, que ele questiona se “valeu a pena tudo aquilo?”, ao momento que ainda mantém uma lealdade quase injustificável por um de seus amigos mortos.  

A obra joga na nossa cara uma perspectiva de narrativa espetacular, com diálogos tensos, porém sutis, com cenas de silêncio quase que assustadoras, e uma cinematografia focada no rosto dos atores para nos dar ainda mais proximidade com aqueles personagens.

O Irlandês é mesmo uma obra para poucos, seu deleite não está nos efeitos especiais ou em uma história desenfreada de ação, está na verdade nas nuanças dos comportamentos e na fragilidade que tem a vida humana, e é exatamente aqui que o filme acerta.  

NOTA DO FILME: 8.5

Nos resta torcer que a parceria Scorsese-Netflix se mantenha para outras produções. Um abraço!

Um comentário:

  1. O filme é otimo, as interpretações de Pesci, Pacino e De Niro são dignas de Oscar, como sempre Scorcasse consegue prender a atenção, mesmo o filme tendo + de 3 horas de duração, um ótimo entretenimento.

    ResponderExcluir

Por favor, seja respeitoso com o colega, obrigado!