Yu-Gi-Oh (Pllano Geral)

Mergulhado em nostalgia – Yu-Gi-Oh! – O Lado Negro das Dimensões – traz de volta grandes duelos ao estilo do antigo anime que fez muito sucesso na década de 90.

Lançado oficialmente em 2016 no Japão, o filme chegou aqui no Brasil apenas no ano passado, e nada foi dito para explicar tal demora.

Para os fãs do antigo anime – assim como eu – essa nova obra apresenta um salto considerável na qualidade da animação, algo que é natural, tendo em vista a era tecnológica da qual estamos, nesse quesito, o ponto vai para o Studio Gallop, responsável pela produção.

Dentre algumas alterações, algo que não teve muito sentido foram as mudanças nas aparências dos personagens. Como o filme se passa algum tempo após o final do anime, é compreensível que hajam algumas mudanças, no entanto, certos personagens tem diferenças consideráveis, e nenhuma delas parece fazer sentido. Uma grande vantagem para o público brasileiro, é a volta dos principais dubladores, como os de Yugi Muto, Téa, Kaiba e Joey.

Outro incômodo que acabei tendo, foi a ilógica dos duelos. Claro que para quem acompanhava o anime, isso é uma realidade naturalizada, pois, o Faraó sempre inventava regras aleatórias para chegar à vitória. O problema é que aqui essa ilógica decola, e em certos momentos chega a ser totalmente incompreensível. Obviamente tanto o filme quanto o anime não seguem as regras do jogo real.

A obra é extensa, tendo cerca de 2hs de duração, porém, estamos em uma era que tais mídias estão cada vez mais longas, e nós consumidores cada vez mais acostumados.

Para um bom desenvolvimento, é essencial que a trama em si faça sentido, o que também é um deslize aqui. O filme não explica como toda a batalha no final do anime não teve influência nenhuma no vilão atual, o que deixa um buraco no roteiro. Resumindo, o inimigo não foi bem encaixado.

Mas vamos lá, nem tudo é um completo desastre, como já foi dito, a qualidade da animação é das melhores, o que é um grande ponto positivo. Além disso, o filme consegue trabalhar muito bem a antiga rivalidade entre Seto e Yugi, que por sinal é um dos pilares da trama. Essa tal rivalidade foi muito bem construída, dando um passo de cada vez, o que faz com que fiquemos empolgados para o desfecho dessa batalha entre magos e dragões.

NOTA DO FILME: 6,2

E aí, é hora do duelo?

Nota: Pessoal, sei que é uma obra um pouco antiga, no entanto, fiz essa crítica por pedido de alguns usuários de um grupo no Facebook do qual participo, grupo esse voltado a Yu-Gi-Oh!. Agradeço a compreensão, um abraço!

0 Comentários