Aladdin (Pllano Geral)

Surfando na onda dos live actions, a Disney trouxe mais uma adaptação de uma famosa franquia de sucesso, Aladdin. Já digo de antemão que a obra não é ruim, mas me fez refletir bastante sobre a necessidade de tantas readaptações que a empresa tem feito. Sabemos obviamente que a resposta é dinheiro.

Infelizmente, assisti apenas a versão dublada, por isso não posso julgar a versão original do filme, e isso impacta principalmente em suas canções, mas vamos lá. As músicas inseridas no longa são simplesmente horríveis, isso mesmo, são ruins, chatas, bregas, cafonas e ainda com vozes totalmente genéricas compostas por audiotune, é realmente decepcionante. Bem-intencionados a produção ainda tentou dar mais importância a princesa Jasmine (Naomi Scott), lhe atribuindo uma canção empoderada, porém, como boas intenções não são suficientes, a música também é sofrível, e só faz com que as pessoas se sintam mais envergonhadas. Para piorar, é quase impossível não se distrair com qualquer outra coisa quando Aladdin (Mena Massoud), estiver cantando.

Referente ao roteiro, o mesmo é bem fraquinho, porém eu consegui relevar, já que todo aquele universo fantástico deixa sua suspensão da descrença lá no alto. Aqui, espere apenas o básico.

O mago Jafar (Marwan Kenzari), também é outra decepção. O ator não chega nem perto de passar o terror que a versão da animação fazia, é uma grande tristeza para mim, já que o personagem tinha tudo para ter roubado a cena.

Depois dos tapas, vamos acariciar um pouquinho. O gênio (Will Smith), é de longe a melhor coisa do filme, nem se quer consigo imaginar outro ator no papel. Lembro de o próprio ter virado piada na internet após os primeiros trailers, pois várias pessoas acharam muito estranho aquela aparência azulada, no entanto, isso é passado, com um CGI bem elaborado e as expressões do ator praticamente intactas, você logo esquece da sua cor, e se sente totalmente envolvido pelo personagem. O gênio também é o único que consegue cantar uma música interessante.

Outro ponto positivo do longa é o seu visual, tudo é maravilhoso, e é muito fácil se perder observando todo aquele espetáculo. Ainda para complementar, a obra traz para os mais saudosistas toda aquela ambientação característica – seja do desenho ou do jogo –, o que é um deleite.

NOTA DO FILME: 6,2

Tem um gato no filme, ele é um fofo.

0 Comentários