Não Olhe (Pllano Geral)


ESSE TEXTO CONTÉM SPOILERES!

Recentemente assisti um filme de “terror” que acabou sendo pouco expressivo aqui no Brasil e no resto do mundo. Ao comentar sobre a obra, praticamente ninguém me disse ter assistido.

Look Away (Não Olhe), é um filme com uma bela fotografia, e que até traz boas propostas, no entanto, não tem nada mais que isso. Sua premissa é muito mal trabalhada, fazendo do filme um ótimo exemplo de como estragar uma ideia.

A personagem Maria (India Esiley), está na fase de transição de adolescência para a vida a adulta, aqui, já vemos os mesmos dramas de sempre, como com quem ela quer ir para o baile, que presente ganhar de aniversário, ficar com o namorado da amiga, problemas com o pai e etc. A obra começa a se tornar interessante – o que é um engano – quando a moça começa a dialogar com uma outra versão de si própria que habita o outro lado do espelho.
Aqui temos mais uma pedra. Espelhos podem até ser um recurso interessante, mas quando bem utilizado. A forma com que a protagonista conversa com a sua outra Eu é mais clichê que a própria palavra clichê, sem contar nos péssimos diálogos que estão totalmente sem inspiração.

Para piorar, o diretor Assaf Bernstein, decide explorar a sexualidade da moça, o que seria uma ótima ideia, tendo em vista que a personagem no filme – não na vida real – ainda é uma adolescente. O problema é que decide-se explorar essa sexualidade fazendo a atriz ficar completamente nua, e em outros momentos mostrando os seios, o que se torna totalmente constrangedor se você lembrar que eu escrevi que ela é uma adolescente. Sexualidade e nudez não são a mesma coisa, quem sabe alguém dê esse toque para o rapaz.   

A obra é fraca, em praticamente todos os aspectos, os personagens são uma representação clichê de todos os estereótipos de filmes adolescentes que você imaginar (o bonzinho, o malvado, a sofredora), e, pelo menos para mim, não há se quer um susto decente, o que pode ser um problema para filmes que se classifiquem como terror/suspense.

Como disse lá no início, a única coisa que talvez você aproveite é uma fotografia aceitável – mas também sem grandes inspirações – pois os editores conseguiram passar o ar depressivo e gélido na maioria das vezes, o que me fez até gerar uma empatia pela moça.

NOTA DO FILME: 4.0

E você, assistiu? não assistiu? Espero que tenham gostado, um forte abraço.

0 Comentários